O muito que é nada. Chesterton e o politeísmo.

By | 24 de novembro de 2015

              G.K. Chesterton, em seu livro “O Homem Eterno” (The Everlasting Man), fala sobre um dito hindu que ele conheceu. Algo como: “Os homens e os deuses existem no sonho de Brahma, e quando Brahma acordar, todos acabam”. Chesterton usa esse ditado em sua ponderação sobre o politeísmo. Ele narra com maestria como o homem navegaria entre deuses de muitos braços, animais com auréolas sobre suas cabeças, e quando pensa estar chegando a algum lugar, Brahma acorda e tudo termina. Esse é o ponto alto de sua reflexão sobre como o monoteísmo, embora parecesse primitivo, sem a aparente sofisticação do sincretismo politeísta que é um tipo de paganismo inclusivo, é a única resposta para o que é, afinal, o politeísmo: a ausência de Deus.

                Se a ausência de tal sofisticação de um povo judeu migrante não o permitiu um lugar nos compêndios de mitologia, a mesma possibilitou o contato com Deus. Deus, aliás, que deixa claro durante os acontecimentos do Antigo Testamento que o que se passava pelos centros intelectuais e culturais do mundo, como Grécia e Egito, não poderia se repetir com os judeus, sob risco deles perderem tudo. O que se vê como ameaça é apenas uma amostra de uma verdade que incomoda a alguns. Esses povos repetiam ciclos de destruição de sua própria cultura e povo, em nome do que era considerado sofisticado e avançado em sua teologia e cultura. O sincretismo inclusivo e o politeísmo amorfo haviam contribuído não só para a perda da cultura, mas para sucessivos desastres e o fim dessas civilizações como se tem notícia delas. O que sobrou mal se conta a história, comprovado pela dúvida que ainda perdura sobre essas culturas, e que provavelmente durará para sempre. Ou pelo menos enquanto houver papiro ou o que mais a arqueologia puder resgatar, e que mesmo assim só oferecem pequenas pistas e muita especulação. Enquanto isso, o monoteísmo do povo migrante, considerado bárbaro e causa e consequência de seu barbarismo, permitiu não só a preservação de uma cultura e de um povo, mas alicerçou o caminho para a invasão redentora de Deus no tempo e na terra.

                A Grécia já chegou a perder sua cultura por inteiro, incluindo a capacidade de ler e escrever. E mesmo seu tempo de hegemonia cultural, com sua mitologia que até hoje prende a atenção dos homens, e é repetidamente vivida em filmes, peças e novos livros; ou sua imensa contribuição para as artes, filosofia e muito mais; deixaram menos documentação do que deveria, e o mais importante, não impediram a cultura grega de declinar, e a civilização da época de terminar sem deixar continuidade de seu modo de vida. O mesmo se deu com a grande civilização egípcia, cujas obras-primas das artes, arquitetura e engenharia existem como uma lembrança de uma civilização perdida. E tantas outras civilizações consideradas mais avançadas e sofisticadas.

                Depois da interpretação marxista ganhar as universidades e a maior parte do destaque na literatura, é quase impossível ver algo diferente de uma explicação rasa com base apenas na relação sócio-política, e muita “luta de classes” para explicar tudo. Principalmente a partir do século XIX, a história tem sido sistematicamente reinterpretada apenas por esse prisma. Da literatura à teologia, passando, é claro, pela história e sociologia. Guerra cultural? Fraqueza cultural? Conflito étnico? Ausência de base moral sólida? Tudo junto? Para a interpretação atual, nada disso! Apenas a interpretação sócio-política é usada. Todos no establishment intelectual atual (SIC) ficam felizes, e nem se importam se a explicação, no final das contas, é obviamente não só insuficiente para se explicar tudo, como é uma forma de se repetir os mesmos erros do passado ao se perder o foco de questões culturais e morais. Correndo o risco, até mesmo, de não deixar nada para a próxima civilização que tentar juntar os cacos de nosso fracasso cultural e, por consequência, civilizacional.

                Por meio de seus paradoxos, alegorias e, principalmente, muita cultura e senso comum, Chesterton nos pinta um quadro de clareza inegável. O que foi chamado de um sinal do barbarismo judaico – sua crença em um só Deus – é um elemento de união cultural. Uma cola que a tudo une. Uma força que proporciona uma base sólida em que uma civilização pode, mesmo com seus erros e tragédias, se reerguer e continuar existindo. Enquanto outras, sem essa união, mas com toda a sua dita sofisticação, permanecem apenas como objeto de estudo sem informação suficiente disponível. O monoteísmo é uma evolução, não um atraso. A prova já foi dada pela história.

                Aristóteles, e aqui eu resumo demais o seu argumento teleológico (Ética a Nicômaco), dizia que o objetivo da vida era a “eudaimonia” (felicidade), que por sua vez viria pela “phronesis” (prudência, ou até mesmo a expressão que Chesterton tanto gostava, senso comum). São termos que a modernidade, infelizmente, tem grande dificuldade em entender da forma que o filósofo os via. De qualquer forma, o cristianismo por várias vezes revisitou Aristóteles e tantos outros, e os viu como base sólida para o desenvolvimento da filosofia cristã. Porém, por mais que a filosofia nos ofereça uma base para o saber e para o desenvolvimento cultural sólido, o caminho descrito por Cristo é algo além disso. Cristo disse que o objetivo da vida é “caritas” (amor). O amor por Deus e pelo próximo. Tudo advém daí. Essa união, primeiramente com Deus, cria uma civilização que se coloca eternamente em vigilância, com seus sentimentos e atos constantemente em cheque, reavaliação, arrependimento e reconciliação. Tudo isso só pode ser feito se houver uma base moral sólida. Uma base moral sólida só é possível com valores. E valores só podem ser a base para tudo isso se forem imutáveis, ou tudo isso será uma contradição. Valores mutáveis são como um monociclo. Você pode até aprender a andar nele, mas alguma hora tem que parar. E quando parar, tem que sair dele. Muito da filosofia moderna até prega que o sentido da vida é exatamente um passeio de monociclo, mas isso não a torna suficientemente estável para durar. E nós almejamos não só a nossa salvação e vida eterna no amor de Deus, mas a continuidade de nossa civilização. Queremos deixar aos nossos filhos bases igualmente sólidas para que a vida deles possa ser ainda melhor, e igualmente preparada para chegar à felicidade, o amor de Deus. Que eles não precisem refazer tudo o tempo todo.

                O paganismo moderno, com seu politeísmo pouco velado, já que natureza, dinheiro, realização pessoal, e muito mais, se tornaram deuses, objetos de veneração ou objetivos únicos. Mas deuses não são Deus. E muitos deuses não nos deram nada até hoje. Apenas Deus. O destino da nossa civilização, a civilização ocidental, ou a chamada civilização judaico-cristã, depende de nossa capacidade de entender o que Chesterton deixou bem claro em seu livro. Muitos deuses significa nenhum Deus. E todos nós precisamos de Deus. Ou nessa civilização redescobre Deus em Cristo e o que significa seguir a Deus, ou, como todas essas outras civilizações, desaparecerá abraçada à sua pseudo-sofisticação. Chesterton ainda é um grande farol para dissipar a névoa da confusão mental, e iluminar nosso caminho até Deus. Usemos nosso senso comum.

                Em Cristo, sob a proteção da Virgem Maria,

                um Papista.

2 thoughts on “O muito que é nada. Chesterton e o politeísmo.

  1. Cleisson A Silva

    Deus abenções pessoas como voce, estou rezando para agir tambem diante desta sociedade cega

    Reply
    1. Papista Post author

      Muito obrigado! Que esse Pentecostes nos ilumine para que seja realmente uma nova vida para todos nós. Uma em que falemos e façamos o que for preciso para passar a Palavra de Deus.

      Fique com Deus.

      Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *