O caráter sinfônico dos Evangelhos – São João e o Lava-pés: a porção sacerdotal

O Evangelho segundo São João é muito diferente dos chamados “Evangelhos Sinóticos”. Por um lado, toda a narrativa de São João é complementar aos outros em sentido mais abrangente. Não apenas os “detalhes” que discutimos nos outros artigos, pequenas diferenças que enriquecem a narrativa quando vistos unidos, mas por acrescentar fatos e narrativas novas que,… Read More »

O caráter sinfônico dos Evangelhos (parte 3): São Lucas e o Novo Moisés (e o médico)

O Evangelho segundo São Lucas possui muitas características distintas. Da muito bem construída narrativa histórica, montada com esmero alguém que não apenas possuía domínio da língua para ser um instrumento preciso da inspiração divina, mas um historiador de fato. Alguém atento à ordem dos eventos e aos detalhes. Um biógrafo fiel, um cristão temente a… Read More »

O caráter sinfônico dos Evangelhos (parte 2): São Mateus, o Reino dos Céus e um mapa.

Como vimos em uma reflexão recente sobre o caráter sinfônico dos Evangelhos, através de um exemplo sobre o Evangelho segundo São Marcos (http://www.papista.com.br/2020/11/03/sinfonico-sao-marcos-novo-adao/), os relatos diferentes dos quatro evangelistas não são meros detalhes. Sempre que os examinamos, percebemos que esses “detalhes” revelam algo profundo que não retira, mas acrescenta algo aos outros relatos. Relatos esses… Read More »

O Verbo se “tabernaclisou” – parte 2: Maria, Tabernáculo do Senhor

Em teologia bíblica, a Tipologia é parte fundamental da exegese bíblica. É o estudo dos ‘tipos’ (τύπος), que são pessoas ou situações que prefiguram outras. Ou seja, é parte do estudo da relação do Antigo com o Novo Testamento. Sem isso, não se pode entender a Revelação Bíblica adequadamente. Os próprios evangelistas, inspirados por Deus,… Read More »

O Verbo se “tabernaclisou”? – parte 1.

O Templo era a ‘habitação’ de Deus. Era, literalmente, um ‘microcosmo’, contendo o universo em si mesmo. Lá estava a Arca da Aliança, colocada no Santo dos Santos e envolvida pela própria presença de Deus, a Shekinah, a nuvem da Glória do Senhor. Só que isso durou até a queda de Jerusalém frente aos babilônicos.… Read More »

Isaías, Judá e a aliança Siro-Efraimita:

Isaías e a guerra de Judá contra a aliança Siro-Efraimita: A Liturgia de hoje, terça-feira da décima quinta semana do Tempo Comum – Ano A (a mesma do Ano B do ciclo litúrgico), nos trouxe um momento muito importante da História da Salvação, contado a partir da visão do profeta Isaías. Os relatos se passam… Read More »

Sanctus: Senhor dos Exércitos ou Deus do Universo?

Na oração do ‘Santo’ (Sanctus), nós dizemos em Português: “Santo é o Senhor Deus do Universo”. As primeiras versões da oração, seguindo a língua falada no Novo Testamento, e ainda língua comum em partes do mundo, o Grego, diziam “Santo é o Senhor dos Exércitos” (Ἅγιος, ἅγιος, ἅγιος Κύριος Σαβαώθ· Ágios, ágios, ágios, kírios sabaoth).… Read More »

Rosencrantz, Guildenstern e Onesíforo estão mortos!

Em sua segunda carta a Timóteo, São Paulo, como fazia com frequência, lembra alguns eventos de suas viagens missionárias e os companheiros e discípulos que fez. Ao final do primeiro capítulo, ele fala sobre Onesíforo, um cristão de Éfeso que ajudou o apóstolo durante a sua passagem pela tão importante cidade grega. O tom da… Read More »

Confissões: um comentário teológico

            Originalmente publicado no dia de Santo Agostinho, este artigo foi dividido em três partes para a minha página no Facebook: www.facebook.com/um papista             Em suas Confissões, Santo Agostinho contrapõe seguidamente a entrega às coisas do mundo e a entrega às coisas do céu; à concupiscência ou à virtude etc. Sempre mostrando como a alegria… Read More »

Crítica textual: uma ferramenta

O ramo da pesquisa bíblica chamado de ‘crítica textual’ é o estudo das variações nos textos, versões, fontes etc. Como todo estudo, ele é uma ferramenta. Podendo ser usada para se chegar mais próximo da verdade; para se entender melhor o processo histórico etc. Infelizmente, como ferramenta que é, também pode ser usada como arma… Read More »

Dificuldades na exegese bíblica

Traduzir e interpretar as Escrituras é difícil em qualquer versículo, por menor que seja ou mais simples que pareça. Como se não bastasse a dificuldade inerente da tradução ou interpretação bíblica, ainda existem algumas ‘cascas de banana’ do próprio texto.             Por exemplo: os profetas utilizam, diversas vezes e em alternância, as expressões ‘Jacó‘, ‘Israel‘… Read More »

Tre Ore – parte 5: tenho sede!

O quinto dito de Cristo entre os seus últimos sete foi: “Tenho sede” (Jo 19,28).             É de se esperar que alguém preso, torturado e crucificado sinta sede, fome e desespero. Mas a sede do Senhor é diferente da nossa. É uma sede de almas!             Em primeiro lugar, o Senhor mais uma vez acompanha… Read More »